estratégia de marketing

A arte da treta como estratégia de marketing

Todos os dias basta abrir as redes sociais para perceber que as tretas não param, vivemos em uma enxurrada de indiretas, pés na porta e socos na cara. É a arte da treta como estratégia de marketing.

A revelação do dia é que uma atriz, filha de outra atriz, admitiu ganhar dinheiro com suas declarações polêmicas e inclusive excluiu até a mãe do próprio instagram e o país está perplexo, se dividindo em grupos de apoiadores e haters.

Alias, só tem 3 tipos de pessoas no mundo, os que usam o marketing a seu favor sendo profissionais ou não, os que não entendem nada de marketing e eu. Claro que existem mais pessoas como eu, que entendem de marketing mas que se recusam a utilizar, essas pessoas como eu são os troxas que enxergam além mas não vão além por um simples critério, o conteúdo.

Essa atriz, acho ela linda, mas nunca vi nenhum trabalho realmente incrível de interpretação, então como se manter na mente das pessoas? Polemizando, fotos explicitas, falar de sexo abertamente o que todo o mundo deveria fazer sem vergonha, mas só quem entende de marketing faz.

Quem assistiu um dos últimos vídeos do Porta dos Fundos sabe do que eu to falando. É tudo exatamente igual, só é preciso um toque de branding.

O povo brasileiro é composto basicamente por pessoas que não entendem de marketing e troxas, dada a nossa crise sem fim e nosso sistema executivo, legislativo e judiciário, esses sim manjam dos paranauê do marketing.

Basta analisar o Lula, que é um excelente comunicador, mas só conseguiu se eleger com o marketeiro do Maluf. To falando bem dele? Não, to falando mal dele? também não, estou apenas citando como exemplo. Entendam!

A diferença entre um excelente profissional e um profissional mais ou menos é o marketing, geralmente o profissional mais ou menos faz um trabalho melhor que o excelente, mas o excelente faz marketing, é polêmico, gera tretas, faz todos pensarem que ele é especial, ele mesmo acredita que é especial e eu te pergunto, quem não é especial?

Aprendemos na escola, em casa e na vida em geral que fazer seu trabalho bem feito e com amor é a receita para o sucesso do seu negócio ou da sua carreira, mas quantas vezes você contratou um serviço excelente onde o profissional fez até um algo a mais, prestou um atendimento incrível e você feliz com o pacote, tirou fotos, postou nas redes sociais com textão de elogio e whatsApp do profissional mas ninguém se interessou?

Você tem certeza de que ouviu várias pessoas dizendo que precisavam de tal serviço, o preço ta bom, o trabalho ficou incrível mas ninguém procura sua indicação, você sabe porque isso acontece?

Porque não tem marketing, não tem branding, não tem status.

Fala que contratou o pedreiro da Gretchen e diz que ele cobra o olho da cara e mais um rim, mas ta em promoção porque vai morar em NY no mês que vem e quer espalhar a “conga conga conga” antes de ir. Se isso fosse um vídeo agora é a hora que entraria aquele musiquinha de caixa registradora, visualize muito dinheiro entrando, pro tal pedreiro, claro. Agora imagine que a unica vez que ele esteve perto da Gretchen foi quando ele pediu um autógrafo.

Isso mesmo! Nada no mundo das celebridades, sub celebridades e aspirantes é o que parece ser. É tudo marketing, é tudo treta, polêmica, branding.

O consumidor quer status, quer se sentir especial, precisa se sentir importante, já que ele está trabalhando num lugar onde não gosta, fazendo um trabalho que ele odeia, comprando coisas que não precisa, melhor que sejam coisas especiais.

Isso também pode explicar o sucesso do perfeito top de São Paulo que não é prefeito coisa nenhuma, mas nunca o povo de São Paulo esteve tão gourmetizado como está, nem todo brigadeiro e hambúrguer do mundo ia conseguir fazer o paulistano ter essa sensação e o que ele fez até agora? Treta, é treta do muro, treta dos mendigos, treta da merenda, pobre Prefeito Maldade que só fez as tretas da ciclovia e da velocidade nas marginais, dá nem pro começo.

A vida é uma sequencia de tretas que você não precisa se posicionar, mas vai sempre escolher o lado com mais status porque o lado mais reaça é vida real e vida real todo mundo já vive todo dia fora das mídias sociais, né. Em algum lugar, de alguma forma o consumidor quer ser importante, mesmo sendo um tremendo babaca-ignorante-fútil-sem noção.

Ps – Está não é uma obra de ficção e todas as tretas provenientes dela é de total responsabilidade do autor.